Ellen Oléria narra vídeo-manifesto para celebração do Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 - Nica por aí

Ellen Oléria narra vídeo-manifesto para celebração do Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922

  • sábado, julho 31, 2021
  • By Carla Sabrina
  • 0 Comments

Gravado no Theatro Municipal, vídeo reforça valorização periférica na programação da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo

vídeo-manifesto de lançamento do projeto Modernismo 22+100, o Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 organizado pela Prefeitura de São Paulo, reforça a valorização da cultura periférica no eixo central das reflexões e celebrações. Gravado no Theatro Municipal, o vídeo produzido pela produtora paulistana Lady Bird retrata uma performance protagonizada pelos artistas Hebert Gonçalves e Moara Sacchi. Além dos protagonistas negros, o vídeo é narrado pela premiada cantora Ellen Oléria.

"Dizer que sou negra é dizer que faço parte de uma linhagem que sobreviveu e sobrevive a um dos maiores genocídios da história da humanidade. Ser mulher e negra é o que sou e saber que chego aqui ao lado de tantas outras que partilham esses pertencimentos e identidades me impulsiona.Veremos juntas o mundo se refazer de sua história sangrenta e expandir em abundância, atuamos em diversas frentes para fazer isso acontecer. O futuro é agora!", comenta a cantora Ellen Oléria sobre um dos motes do vídeo que exalta "a periferia no centro e o centro na periferia".

Inspirado nas obras "O Sacudimento da Maison des Esclaves em Gorée" e "O Sacudimento da Casa da Torre" de 2015 de Ayrson Heráclito, a produção tem o intuito de representar a renovação dos conceitos modernistas para esta celebração. O diretor de cena, Henrique Sauer, conta que a inspiração nas obras de Héraclito resultou da busca pela ideia de purificação e renovação do espaço do Theatro Municipal para seguir seu rumo na História e inspirar um novo futuro.

O texto do vídeo consiste no Manifesto Modernismo 22+100, que explica os conceitos envolvidos no contexto do Centenário."O 22 de agora abraça o Brasil inteiro", diz um trecho, apontando para valores com menos preconceito e ignorância, e "muito mais diversidade". A produção também anuncia outras iniciativas do projeto, como os Centros de Referência do Novo Modernismo, os Bailes Futuristas, o Banquete Antropofágico, a Marcha das Utopias e os Cortejos Modernistas. O texto da locução é de autoria de Hugo Possolo, diretor geral da Fundação Theatro Municipal, com participação do secretário de Cultura da cidade de São Paulo, Alê Youssef .

"O Manifesto 22 + 100 é uma obra potente e extremamente relevante", afirma um dos diretores do vídeo, Helder Fruteira. "O DNA da concepção do projeto foi plural, acreditamos nisso enquanto produtora. Nosso filme narra sobre a purificação de espaços, ideias e conceitos. A performance dos nossos atores e bailarinos se movimenta junto com a ideia de explorar o novo".

Produzida pelo produtor musical e baixista da banda OQuadro, Ricô Santana, a trilha traz elementos sonoros marcantes relacionados à tecnologia ancestral e com a força inventiva do funk. "São sons que se misturam a timbres, e que comunicam com nosso imaginário", complementa o diretor.

A direção artística para a performance dos artistas foi concebida para representar a ocupação de espaços pela arte, sua força de movimento, ainda que num contexto pandêmico, como Helder complementa: "Desde o início, tínhamos em mente um filme rico em movimentos e a escolha do elenco, Hebert Gonçalves e Moara Sacchi, veio da ideia de termos performance, atuação, identidade, conexão natural e intuitiva com a proposta criativa do roteiro. Ali manifestamos a nossa mais honesta crença no poder da arte, principalmente em tempos difíceis."


Confira o vídeo completo:


Ficha técnica
DIREÇÃO

Direção - Helder Fruteira e Henrique Sauer

1ª AD - Amanda Barros

2ª AD - Dai Andrade

Tratamento - Monique Lemos

Tratamento - Mari Santos



FOTOGRAFIA

Direção de Fotografia - Luiz Maximiano

1° Assistente de Câmera - Tiago Alves

2° Assistente de Câmera - Danilo Saraiva

Logger - Julio Pelizer

Steadcam - Rafa Maia

Assistente de Steadcam - Daniel Nunes

Making Of - Mark Vales



PRODUÇÃO

Produtora Executiva - Gabi Brites

Coordenação Produção - Luis Milliet

Atendimento - Simone Chasseraux

Diretora de Produção - Luh Moreira

Assistente de set - Gabriel Amadio

Assistente de set - Jailson França (Jaja)

Técnica de segurança - Maria Rivani

Segurança - Reginaldo Pereira



PÓS-PRODUÇÃO

Montagem - Helder Fruteira

Colorista - Luciano de Azevedo ICG

Trilha e mixagem - Ricô Santana

Voz - Ellen Oléria

Designer - Dnego Justino

Motion designer - Vini Moreira

Coordenação de pós - Akira Noguchi



ARTE

Produtora Objetos - Mayara Wui

Assistente de Arte - May Durães

Contra Regra - Lucas Fidelis



ELÉTRICA / MAQUINÁRIA

Eletricista - Tin Tin

1º Ass. de Eletrica - Gugu

2º Ass. de Eletrica - Grandão

Maquinista - Betinho



FIGURINO

Figurinista - Caio Felipe

Assistente de figurino - Denise Salles



MAQUIAGEM

Beauty - Alma Negrot

Assistente Make - Rômulo Araujo



ELENCO

Hebert Oliveira

Moara Sacchi

Ellen Oleria (Locução)



PÓS

Montagem - Helder Fruteira

Trilha e mixagem - Ricô

Designer - Dnego Justino

Motion designer - Vini Moreira

Coordenação de pós - Akira Noguchi



CATERING

Copeiro - Breno Ribeiro



FORNECEDORES

Infra / Caixa de produção - Águia Locações

Luz / Acessórios - Fábrica Brasileira de Imagem - Edi/Rubia

Acessórios extra - Raineri

Câmera - Monstercam

Lentes - Leo Kawabe

Transporte - Isac

Segurança - Rodrigo Jesus

Catering - Sandra (Arca Eventos)



TRANSPORTE

Carro de Produção - Wagner Costa

Carro Objeto - Samuel Cardoso

Van Câmera - Alecsandro Queiroz

Pickup de produção / equipamento - Marcelo Eduardo

Motorista de Alimentação - Claudivaldo Alves




Modernismo 22+100

O Modernismo 22+100 é o projeto da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, para as reflexões e celebrações do Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922.

Entre as diversas iniciativas do projeto estão o Ciclo Modernismo 22+100, um projeto de curadoria aberta com 100 personalidades da Cultura discutindo e propondo reflexões sobre o Centenário, a Comissão de Instituições Culturais, que vai elaborar um calendário público-privado sobre a data e uma programação cultural especial.



Manifesto Modernismo 22+100

Hugo Possolo (diretor geral da Fundação Theatro Municipal), com participação do secretário de Cultura da cidade de São Paulo, Alê Youssef



A sociedade se mobiliza.
A Cultura enfrenta a encruzilhada!
A arte abre caminhos!
modernismo 22+100

O 22 que aconteceu
na Pauliceia tinha
eu + lirismo = poesia


O 22 de agora
abraça o Brasil inteiro no
eu + os meus = nós,
que é = a noiz.


E noiz + lirismos é = a nova poesia.
É a prova dos nove da volta da alegria!

O 22 que aconteceu tinha
+ pasárgadas onde ir e invenções de abaporus
e + imperfeição = a obras perfeitas
e + os crimes de sermos divergentes.


O 22 de agora é
a periferia no centro
e o centro na periferia.


O 22 de agora é
a cultura presente.
É cultura como prioridade.
É a cultura no centro
do desenvolvimento econômico e social.


O 22 de agora
afirma e reafirma a Cultura
como a saída justa e próspera,
sustentável e democrática
para a crise pós pandemia!


O 22 de antes abriu
caminhos para:
carnaval dos 30
antropofagia dos 30
geração de 45
tropicália dos 60
cinema novo dos 60
o maio 68
poesia marginal dos 70
diretas já nos 80
arte contra barbárie nos 90
resistência cultural nos 2000
ocupação cultural nos 2000
2000 graus de chapa quente da arte em todo lugar,
porque arte é ocupar.


O 22 de agora é
+ que conceito:
é menos preconceito,
menos elogios à ignorância,
menos brutalidade,


menos arrogância e
muito muito muito + diversidade!

O 22 de agora é
pelo fim dos apagamentos e de
mulheres e + pretos e + mulheres pretas e
temas lgbtqia+ e +++


O 22 de agora é
resistência e + existência
amor e menos rancor.


No 22 de antes
os 100 anos da independência era pretexto.
No 22 de agora
os 200 anos da independência é o contexto.
É da luta da civilização contra a barbárie.


O 22 de agora
é menos bandeirante e + modernista.
O 22 de agora é + que uma celebração.


É a retomada cultural!
É a festa pós pandemia!
É o palco do futuro!
É + nação!
É o sentido cultural de nação.


O 22 de agora é
a cultura = expressão.
A expressão = pensamento.
É o pensamento em ação!


Vem aí: os Centros de Referência do Novo Modernismo!
Vem aí: os Bailes Futuristas!
Vem aí: o Banquete Antropofágico!
Vem aí: a Marcha das Utopias!
Vem aí, os Grandes Cortejos Modernistas!
Vem aí! modernismo 22 + 100




Sobre LadyBird

Produtora audiovisual que prioriza a criatividade sob múltiplas perspectivas. A produtora paulistana se define como um espaço de conexão entre diferentes backgrounds interessados nas transformações do mundo, para a transformação da identidade em narrativa audiovisual.



Sobre Ellen Oléria

Ellen Oléria é uma cantora e compositora brasileira. Nascida e criada em Brasília, foi lá que se formou em Artes Cênicas na Universidade de Brasília. Com mais de 16 anos na estrada da música, a artista acumula prêmios em festivais, 5 discos lançados e turnês realizadas pelo Brasil e mundo afora. Conhecida pelo público por seu timbre cintilante, a nação e repertório brasileiríssimo, a soprano dramática Ellen Oléria condensa em sua performance o que o povo brasileiro reconhece como seu: entusiasmo e um sorriso que nunca sai do rosto iluminando cada canção que canta. A versatilidade de Ellen estende-se também ao seu ativismo político que podemos acompanhar no programa Estação Plural, exibido semanalmente pela TV Brasil em que a artista é apresentadora. Indicada como melhor cantora (canção popular) pelo Prêmio da Música Brasileira por seu mais recente disco e com este trabalho a artista tem se apresentado pelo Brasil.
 

Gostou do post? Nos conte nos comentários e compartilhe com os amigos. Nos acompanhe nas redes sociais:

Me chamo Carla Sabrina sou negra, mãe e candanga. Graduanda de Comunicação Social, na área de Publicidade, consultora de moda e marketing, e influenciadora por paixão.

You Might Also Like

0 comentários